Brasil é atropelado pela Espanha e vê escapar chance de inédita semifinal no Mundial de handebol

O Brasil sentiu o gostinho de estar entre os grandes do handebol no Mundial da Alemanha e da Dinamarca, mas chegar à semifinal é um sonho que vai ficar para o futuro. Nesta segunda-feira, a seleção brasileira foi dominada pela Espanha e perdeu por 36 a 24 em mais uma partida do Main Round, a segunda fase da competição.

Os atuais campeões europeus contaram com grande atuação do goleiro De Vargas, que parou o ataque brasileiro. Nem parecia a seleção que no domingo venceu a tradicional Croácia. O Brasil falhou muito e viu a Espanha deslanchar nos contra-ataques de Solé e Arino, artilheiros com seis gols cada. Cañellas também se destacou com cinco gols. Pelo lado do Brasil, Haniel e Raul Nantes anotaram quatro gols cada.

O Brasil ainda volta à quadra de Colônia nesta quarta-feira, às 12h30 (de Brasília), para medir forças com a Islândia em uma partida que só vai definir a posição do Brasil dentre do top 12. Em todo caso já é a melhor campanha do Brasil na história do Mundial de handebol, com quatro vitórias e três derrotas até aqui, superando três tradicionais equipes europeias (Sérvia, Rússia e Croácia).

O jogo
No banco a Espanha contava com Jordi Ribera, antigo técnico da seleção brasileira. E ele parece ter passado direitinho ao goleiro De Vargas como parar o ataque brasileiro. O equilíbrio durou apenas os minutos iniciais, porque De Vargas parecia prever onde os brasileiros arremessariam. Com os contra-ataques do ponta Solé e com as marretadas de Cañellas, a Espanha abriu 10 a 3.

Foi quando o Brasil trocou de goleiro, colocou Bombom em quadra e esboçou uma reação com três gols seguidos (10/6). Raul Nantes também entrou bem na partida, dando uma cara nova ao ataque verde-amarelo. Só que a defesa brasileira não conseguiu se acertar, subiu para evitar as marretadas de Cañelas e deixou espaço para os pivôs espanhóis. Mesmo com um golaço de Haniel no finzinho do primeiro tempo, o Brasil foi ao intervalo com grande desvantagem: 19 a 13.

O cenário não melhorou no segundo tempo. O Brasil cometeu muitas falhas no ataque. Teve passe errado, falta de ataque, andada. A Espanha aproveitou para ampliar ainda mais a vantagem com contra-ataques e chegou a abrir 10 gols (24/14). A partir daí os campeões europeus só administraram o jogo, e nem precisaram se esforçar muito diante de tantos erros dos brasileiros. Nos minutos finais, a Espanha ainda conseguiu estender a vantagem até acabar em 36 a 24.

GE