Alagoas, 23 de agosto de 2019

Ismail Xavier, crítico e pesquisador de cinema, participará da Flip 2019


O crítico e teórico de cinema Ismail Xavier, professor emérito da Universidade de São Paulo (USP) e autor de “Sertão Mar: Glauber Rocha e a estética da Fome” (Editora 34), vai participar da 17ª Festa Literária Internacional de Paraty (Flip), informou a organização do evento nesta quinta-feira (18).

A Flip 2019 acontece entre 10 e 14 de julho.

“Ismail Xavier é um grande crítico e teórico do cinema como um todo, mas especialmente do cinema nacional e é referência incontornável para entender a influência do sertão no cinema, na gênese do Cinema Novo e da chamada ‘estética da fome’, além da produção brasileira subsequente. Seu livro sobre Glauber Rocha é fundamental”, afirmou, em nota, Fernanda Diamant, curadora da Flip.

Nascido em Curitiba em 1947, Ismail Xavier formou-se pela USP em engenharia mecânica e cinema. Na universidade, fez mestrado com orientação de Paulo Emílio Sales Gomes. A dissertação rendeu o livro “Sétima arte: Um culto ao moderno” (Perspectiva), publicado em 1978.

Dois anos depois, defendeu a tese de doutorado na qual analisou os dois primeiros filmes de Glauber Rocha: “Barravento” (1962) e “Deus e o diabo na terra do sol” (1964). O trabalho aborda ainda “O cangaceiro” (1953), dirigido por Lima Barreto, e “O pagador de promessas” (1962), de Anselmo Duarte.

Ismail Xavier também é autor de “Alegorias do subdesenvolvimento: Cinema Novo, Tropicalismo, Cinema Marginal”, fruto do Ph.D. feito em 1982 na New York University e relançado em 2012 pela Cosac Naify, e “O olhar e a cena: Melodrama, Hollywood, Cinema Novo, Nelson Rodrigues”, que saiu em 2003 pela mesma editora.

Outros nomes da Flip 2019
A Flip 2019, que vai homenagear Euclides da Cunha (1866-1909), já anunciou até aqui sete convidados, além de Ismail Xaiver:

a escritora americana Kristen Roupenian, autora do conto “Cat Person”;
a professora emérita de teoria literária e literatura comparada da Universidade de São Paulo (USP) Walnice Nogueira Galvão, especialista em Euclides da Cunha e Guimarães Rosa (1908-1967);
o angolano Kalaf Epalanga, autor de “Também os brancos sabem dançar” e integrante da banda de kuduro Buraka Som Sistema;
a escritora canadense Sheila Heti, autora do romance “Maternidade” e considerada um dos principais nomes da literatura em língua inglesa contemporânea;
a escritora, psicóloga e artista portuguesa Grada Kilomba, autora de “Memórias da plantação: Episódios do racismo cotidiano” e militante do feminismo negro;
a escritora cubana de origens cubana e austríaca Carmen Maria Machado, autora de “O corpo dela e outras farras” (Planeta);
e a jornalista e escritora venezuelana Sainz Borgo, autora de “Noite em Caracas” (Intrínseca).
A curadora do evento neste ano, Fernanda Diamant, é uma das editoras da revista literária “Quatro cinco um”.

G1