Confiança dos empresários sobe, mas incerteza econômica leva à piora das expectativas

O índice que mede a confiança dos empresários, da Fundação Getulio Vargas, teve alta de 0,2 ponto em abril, para 94,3 pontos, após ter perdido 3,5 pontos nos dois meses anteriores.

O Índice de Confiança Empresarial (ICE) consolida os índices de confiança da indústria, serviços, comércio e construção.

A confiança avançou em 47% dos 49 segmentos que integram o índice, com melhora dos segmentos disseminada entre os setores. No mês passado, a disseminação da alta havia alcançado somente 22% dos segmentos, segundo a FGV.

O Índice de Situação Atual subiu 0,4 ponto em março, para 90,6 pontos, voltando ao nível de janeiro de 2019. Já o Índice de Expectativas cedeu pela terceira vez consecutiva, em 0,5 pontos, para 99,3 pontos, o menor nível desde novembro do ano passado.

“O resultado retrata uma economia que continua crescendo lentamente, levando as empresas a se tornarem gradualmente menos otimistas. A piora das expectativas em abril foi também influenciada pelo aumento da incerteza econômica no mês”, afirma Aloisio Campelo Jr., superintendente de Estatísticas Públicas da FGV IBRE.

Dos subíndices que integram o índice, apenas a indústria avançou em abril, em 0,7 ponto. Com a terceira queda consecutiva, a confiança do setor de serviços acumula perda de 6,1 pontos. Já os setores do comércio e construção ficaram estáveis em abril.

G1