Alagoas, 18 de fevereiro de 2020

Economia

Reforma da Previdência: mensagem presidencial aborda o tema de forma conservadora

Reforma da Previdência: mensagem presidencial aborda o tema de forma conservadora

Economia
Sintetizo aqui a primeira avaliação pública da Fundação João Mangabeira (FJM), órgão de estudos do Partido Socialista Brasileiro (PSB), sobre a proposta de reforma da Previdência encaminhada pelo governo federal à Câmara dos Deputados no último dia 6 de dezembro. A mensagem presidencial aborda o tema de forma tradicional e conservadora. Está alinhada com outras alterações, feitas no passado, que meramente promoveram cortes de benefícios, o que tem sido claramente insuficiente. Não houve esforço para apontar medidas inovadoras e criativas que atendam aos três objetivos de uma verdadeira reforma: manter o caráter distributivo do sistema, equilibrar as contas públicas e ajudar na retomada do crescimento da economia. A FJM apoia medidas que cortem privilégios concedidos a grupos já conte
Governo anuncia reforma trabalhista; acordo deve prevalecer sobre legislação

Governo anuncia reforma trabalhista; acordo deve prevalecer sobre legislação

Economia
A poucos dias de encerrar o ano, o governo anuncia hoje (22)  mudanças na legislação trabalhista. Entre as possíveis medidas, está a ampliação da terceirização - restrita hoje a atividades de suporte, como segurança e serviços de limpeza -, que deverá incluir novas áreas além das permitidas atualmente. Outra medida deve ser a prevalência do acordo entre empresas e sindicatos dos trabalhadores sobre a legislação. Outros temas que estão sendo discutidos são a ampliação do contrato de trabalho temporário. Há também a formalização da jornada diária de até 12 horas. Atualmente, contratos de trabalho com jornadas superiores a oito horas diárias são frequentemente questionados na Justiça do Trabalho, que ainda não reconhece formalmente a jornada mais longa. Uma das possibilidades é a criação
Ministério do Turismo diz que crise não deve afetar gastos no verão

Ministério do Turismo diz que crise não deve afetar gastos no verão

Economia
A crise econômica parece não ter afetado o turismo na mesma proporção que outros setores da economia brasileira. O Ministério do Turismo estima que as famílias brasileiras realizarão 73,4 milhões de viagens durante o verão, que começa hoje (21) e se estende até fevereiro de 2017. Se alcançado, o número representará um incremento de 0,8% em comparação com o último período, quando foram registradas 72 milhões de viagens. A expectativa é que esses turistas movimentem  R$ 100 bilhões. O otimismo do ministério é ainda maior em relação a vinda de estrangeiros ao país. Espera-se que 2,4 milhões de turistas de outros países desembarquem nos principais destinos nacionais, um incremento de 11% quando comparado com o último verão. Considerando que cada turista estrangeiro gasta, em méd
Conforme pesquisa de Natal, em 2016, itens natalinos pesarão no bolso do maceioense

Conforme pesquisa de Natal, em 2016, itens natalinos pesarão no bolso do maceioense

Economia
Não há como negar: o Natal é a melhor data de vendas para o comércio varejista. No entanto, neste ano, os comerciantes terão que investir em promoções caso queiram realizar vendas. Isso, porque, segundo a pesquisa especial da Secretaria do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag), em geral, os produtos natalinos estão com preços mais altos na capital alagoana. Conforme o supervisor de Estudos e Pesquisas da pasta, Gilvan Sinésio, por ser um período de confraternizações, é normal que o comércio se aqueça. Ele explica, no entanto, que por conta do cenário econômico de retração atual, os itens pesquisados durante o levantamento apresentaram altas, quando comparado com  o mesmo período de 2015. “Em 2016, foi possível perceber que os preços de vários itens tradicionais apresentaram alta
Número de inadimplentes chega a 58,7 milhões, mostra pesquisa

Número de inadimplentes chega a 58,7 milhões, mostra pesquisa

Economia
O total de inadimplentes no país atingiu 58,5 milhões, em novembro último, o equivalente a 39% da população adulta brasileira. Esse número é 0,69% maior do que em novembro do ano passado, representando a entrada de um milhão de pessoas no período de um ano na lista de negativados. Apesar de elevada, a lista recebeu menos devedores do que entre 2014 e 2015, quando foram incorporadas dois milhões de pessoas. Os dados são do indicador do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Em nota, o presidente da confederação, Honório Pinheiro, atribuiu o resultado ao crédito mais rigoroso e aos efeitos do desaquecimento da economia. Para ele, não se trata de uma melhoria de cenário, mas de um comportamento de cautela do consumidor em assum